James McAvoy Brasil

Sua fonte sobre o ator no Brasil.

25 de julho de 2019

HBO Summer TCA Panel “His Dark Materials”

Embora a nova adaptação da série clássica de fantasia de Philip Pullman His Dark Materials tenha lançado recentemente um trailer e um painel cheio de informações na Comic-Con de San Diego, o elenco e os criadores da nova co-produção da BBC/HBO não deixaram as coisas por lá. Eles foram uma grande parte do painel da HBO nos TCAs de 2019 em Beverly Hills, Califórnia, ontem.

Estava presente o produtor executivo e escritor Jack Thorne, a produtora executiva Jane Tranter, assim como os membros do elenco Dafne Keen (Lyra Belaqua), Ruth Wilson (Sra. Coulter) e Lin-Manuel Miranda (Lee Scoresby). James McAvoy não pôde estar presente, mas participou via satélite direto da Filadélfia.

Uma das primeiras perguntas feitas foi quem está expressando o icônico urso polar dos livros, Iorek Byrnison? Thorne não revelou o nome do ator, mas disse que estava no set, dublando Iorek ao vivo usando um fantoche como substituto. Keen atuou ao lado desse fantoche (Lyra e Iorek compartilham muitas cenas) e mencionou como o ator conseguia “mudar sua voz [de] ser humano normal para um urso em segundos”.

Como a equipe está desmembrando os três livros da série, chamados Northern Lights (The Golden Compass nos EUA), The Subtle Knife e The Amber Spyglass? Thorne observou que sua abordagem é em grande parte para usar um livro por temporada, mas acrescentou: “Eu roubei alguns pedaços de outros livros para esta temporada. Estava olhando para todos os três livros [para] descobrir como poderíamos celebrá-los da melhor forma, e às vezes isso estava levando as coisas adiante “.

Em termos da relevância atual dos livros (que é enorme no momento), Keen disse: “Eu sinto que é muito necessário agora. Nós geralmente não temos jovens mulheres como protagonistas. Não é em abundância e retratar alguém tão forte e heroína, é um privilégio”. Thorne continuou dizendo, “A coisa que eu acho mais bonita e tentei manter na minha cabeça, se esse fosse um filme da Marvel, essa seria a história de Asriel. Mas ele [o autor Philip Pullman] não faz isso, ele faz através de Lyra. Ela está constantemente interessada em fazer a coisa certa e a coisa boa. Tentamos manter isso durante todo o tempo.”

Como os livros lidam com uma organização opressora que manipula a religião e a fé para servir a seus próprios fins egoístas, as histórias muitas vezes são rotuladas como “anti-religiosas”. De fato, a tentativa original de transformar os livros em uma série de filmes (The Golden Compass, em 2007) encontrou alguns boicotes. A equipe por trás do show está preocupada com a história se repetindo? Ouvindo Tranter falar sobre isso, a resposta é não.

“Não estamos preocupados porque estamos nos adaptando de maneira generalizada”, disse ela. “O que acontece com o filme, você tem que reduzir. Temos oito episódios por livro para que possamos soar cada nota que Philip soou. Nós deixamos claro que a controvérsia religiosa não era relevante para os livros. His Dark Materials fala sobre opressão, a falsificação de informação.”

Ela passou a mencionar a instituição da opressão na série, chamada “The Magisterium” (O Magistério), dizendo: “Não há organização hoje que é uma correlação direta. Olhando para trás no tempo, você poderia olhar para a imprensa ou a Guerra Fria como coisas que ele estava cavando. Ele estava chegando a temas da verdade que vem para a população em geral. Não é um ataque à religião. Eles estão cheios de fé e crença.” Keen acrescentou que viu o Magistério “mais como o Grande Irmão do livro 1984“.

“Acho que Philip Pullman está falando sobre opressão em todos os lugares”, disse Tranter, ao que McAvoy acrescentou: “Acho que ele estava falando sobre a opressão cotidiana. Nós consumimos tanto isso que temos medo de dizer às nossas contemporâneos se algo é lógico. Nós estamos apavorados em apoiar as pessoas a dizer o que elas acreditam. Isso está no nível extremo. A área mais cinzenta é que estamos apavorados de dizer alguma coisa. Se mais de 10 pessoas discordarem na internet, então uma história começa a se ridicularizar e isso vem de dentro também. Philip Pullman está falando sobre o pensamento razoável de nunca ser limitado”.

Como os livros acontecem em diferentes universos – primeiro no universo familiar (mas quase idêntico) de Lyra, e então … bem, alguns diferentes mais tarde – a série requer alguma exposição em sua abertura para poder funcionar. Como a equipe controla isso para uma audiência? Como Thorne disse, isso envolveu “muita tentativa e erro”.

“Nós escrevemos muitos rascunhos para tentar encontrar uma maneira de contar a história da maneira mais elegante possível”, disse ele. “A densidade de Philip Pullman é uma bênção e uma maldição. É um espetáculo muito desafiador, mas glorioso para escrever. Philip mostra a você o topo da montanha de gloriosidade. Ele tem uma criança principal, falando sobre animais. Ele te dá um enorme nível de fantasia e diversão. Não há nada mais delicioso do que a vilania da Sra. Coulter. É uma fantasia embutida em algo. Como adaptadores, nós pegamos as notas gloriosas e as juntamos. Encontramos o tecido conjuntivo. “

Tranter acrescentou que ela viu o show como sendo composto por 16 episódios, em vez de duas temporadas, que é em parte como foi lançado. Parte disso se deveu à logística de alguns de seus atores principais ficando mais velhos a cada dia.

“À medida que passamos de uma temporada para outra, temos crianças na série crescendo rapidamente, então tivemos que encontrar uma maneira de transformar a peça rapidamente”, disse Tranter. “Há um grande tema de uma menina passando pela puberdade e nós queríamos marcá-la apropriadamente. Para mim, eu acho que é uma produção quintessencial da BBC / HBO. Eles são uma literatura altamente conceituada e parecia certo ter um lugar no Reino Unido com uma de suas emissoras. Também nos sentimos que era a cara da HBO. Parecia natural “.

Com toda essa conversa sobre multiversos, quais são alguns dos desafios de colocá-los na tela? Tranter disse que eles começaram (como os livros fazem) no mundo de Lyra. “Tomamos decisões em design. Fizemos certas escolhas que o mundo de Lyra não industrializou. Também tem o Magisterium que suprimiu o conhecimento. Uma das maiores coisas da fantasia é que você pode pensar em nosso mundo de maneira diferente com suas lentes.”

Isso se estende também ao figurino, com Wilson comentando a aparência da vilã Sra. Coulter. “Ela parece ligeiramente com uma mistura de estilos e épocas. Na primeira temporada, é o mundo de Lyra e então você pode começar a se mover. Foi emocionante discutir como os personagens se movem através de outros mundos. Você como personagem tem que se adaptar. Não agora, mas não muito longe do nosso mundo. Foi divertido tentar descobrir isso.” Em seguida, ela mencionou o conceito de “daemons”, que aparece muito no mundo de Lyra – as pessoas têm um pouco de suas almas caminhando e conversando com elas como animais diferentes.

“O que é incrível neste mundo é que os daemons são suas almas”, disse Wilson, dizendo que o próprio dela era um macaco, referindo-se ao famoso daemon de Golden Monkey de Coulter. McAvoy acrescentou a isso, mencionando que os livros são alguns de seus favoritos de todos os tempos, e que ele nunca se viu nesse papel “… mas eu tenho um leopardo da neve em mim”, disse ele, referindo-se ao daemon leopardo das neves de Asriel, Stelmaria. “Na puberdade, você olha para o seu daemon. Você consegue olhar para si mesmo e falar com a sua alma de uma forma que não podemos”, disse ele.

Miranda como um super fã da série também, ele teria ficado feliz em interpretar o daemon do leopardo da neve de McAvoy.

Fonte.
Tradução por Aline.