Menu
HomeCyrano de Bergerac“Cyrano de Bergerac” recebe ótimas críticas!
“Cyrano de Bergerac” recebe ótimas críticas!

Gerações de atores usaram probóscides protéticos para interpretar Cyrano de Bergerac. James McAvoy contou à BBC News por que sua versão é sem um.

A primeira coisa que você nota quando James McAvoy sobe ao palco na mais recente encenação de Cyrano de Bergerac em Londres é que seu nariz é distintamente seu.

Por causa do filme vencedor do Oscar, Gerard Depardieu, a refilmagem de Roxanne, de Steve Martin, e inúmeras outras versões, espera-se automaticamente que o herói poeta extravagante de Edmond Rostand ostente um apêndice nasal enorme.

Este Cyrano, no entanto, nada contra a maré. A produção de Jamie Lloyd não apenas usa roupas modernas contemporâneas, como também deixa a lendária vaia para a imaginação do espectador.

“Rostand escreveu uma peça sobre o poder das palavras e o poder da imaginação”, explica McAvoy após a apresentação de sexta à noite para a imprensa.


Confira todas as imagens deste álbum

“[Pensamos assim], vamos realmente testar o quão poderosas são suas palavras e imaginação e ver se elas realmente podem envolver o público. Se formos bons o suficiente, focados o suficiente e disciplinados o suficiente como artistas, então o público verá um nariz”.

Acessórios, figurinos e outros parafernálias também são dispensados na encenação reduzida de Lloyd – a primeira de três produções que sua empresa está apresentando no Playhouse Theatre, em Londres.

Em outro desvio da norma florida, seus personagens usam microfones para conversar no estilo de uma batida de poesia ou batida de rap.

“A produção dispensa espetáculos convencionais, figurinos coloridos e visuais”, diz Michael Billington, do The Guardian.

O resultado, de acordo com Dominic Cavendish, do Telegraph, é “um Cyrano super-inteligente e despojado que vira a peça de cabeça para baixo”.

“Há tanto artifício, tantos sinos e assobios, tantas armadilhas que vêm com certos shows e Cyrano é definitivamente um deles”, continua McAvoy.

“Tem o chapéu grande, a pena grande, existem mosqueteiros fanfarrões – todo esse tipo de coisa. Todas essas coisas são maravilhosas, mas já as vimos um milhão de vezes, para que se tornem clichês.”

“O que Jamie disse foi que não vamos seguir esse clichê – não vamos usar o artifício teatral que todo mundo espera ver”.

“Nós literalmente voltamos às palavras e as deixamos fazer todo o trabalho pesado”.

Cavendish aplaude essa decisão em sua crítica de cinco estrelas, comparando a produção de Lloyd a “um show de poesia performática” cheio de “malandragem inteligente de rua”.

Clive Lewis é igualmente efusivo no The Times, elogiando o adaptador Martin Crimp pelo “verso sinuoso do hip-hop que é grandiloquente e arrogante quando precisa ser, mas também é espirituoso e terno”.

“Idéias complexas sobre amor, literatura, imagem corporal e verdade são expressas em suas rimas vertiginosamente inteligentes”, escreve Nick Curtis, do Evening Standard.

“A produção de Lloyd’s parece emocional reflexiva da Londres contemporânea, mas também fiel ao original parisiense”.

Encenado pela primeira vez na capital francesa em 1897, Cyrano foi originalmente aclamado pelo ator Constant Coquelin.

Muitos outros artistas seguiram seus passos, entre eles Sir Antony Sher, Robert Lindsay, Kevin Kline e Peter Dinklage.

Jose Ferrer ganhou um Oscar pela interpretação de Cyrano em um filme de 1950, enquanto Depardieu recebeu uma indicação ao Oscar por sua interpretação em 1990.

Steve Martin, enquanto isso, teve tanto sucesso ao interpretar o chefe dos bombeiros CD Bales em Roxanne, de 1987, que recebeu uma homenagem na adaptação de Crimp.

“Eu acho que muitas pessoas voltaram ao assunto porque é uma oportunidade para se jogar em um pedaço de material que pode matar você”, diz McAvoy.

“Essa é a melhor coisa a fazer, onde você está testado e forçado a encontrar novas coisas”.

McAvoy e Lloyd são colaboradores frequentes, tendo trabalhado juntos anteriormente em Macbeth e The Ruling Class no Trafalgar Studios, em Londres.

A peça Cyrano de Bergerac continua no Playhouse Theatre em Londres até 29 de fevereiro.

Fonte.