NYTimes: Com ‘Cyrano’, James McAvoy está saboreando uma ‘forma mais pura de contar histórias’

Artigo original por NYTimes | Laura Collins-Hughes.
Fotos por Robbie Lawrence.
Traduzido por JMBR, por favor não reproduza sem os devidos créditos!


Confira todas as imagens deste álbum

O ator fará sua estreia nos palcos de Nova York com a produção vencedora do Olivier Award, chegando em abril à Brooklyn Academy of Music.

LONDRES – Em um bar aconchegante no andar de cima do Harold Pinter Theatre aqui, o ator James McAvoy estava falando sobre sacrifício ritual. A oferta em questão era ele.

Noite após noite, no set da produção vencedora do Olivier Award de “Cyrano de Bergerac”, McAvoy não tem plumas ou próteses para se esconder enquanto interpreta o papel-título. Ele até raspou o cabelo, tocou perto do couro cabeludo em um desbotamento escultural – um visual mais elegante do que a careca lisa de seu personagem em “X-Men”, Charles Xavier, e muito mais militar.

“Sempre achei que o teatro é um pouco sacrificial”, disse McAvoy, 42 anos, em seu sotaque escocês. “Acho que as primeiras peças provavelmente foram algum tipo de sacrifício, seja animal, alimentar ou até humano. A comunidade se reunindo para assistir alguém se doar – sinto que o teatro tem suas raízes nisso em algum lugar.”

Tal ferocidade pode não parecer se aplicar a interpretar o poeta apaixonado e de nariz gigantesco de Edmond Rostand, um papel há muito preso no âmbar bolorento da tradição teatral. Mas na produção lúcida, engraçada e íntima de roupas modernas de Lloyd, de uma nova adaptação de Martin Crimp, o Cyrano cuspidor de versos de McAvoy é como nenhum Cyrano que você já viu, belicoso e gentil e explosivo e ainda, com um profundo poço de ternura logo abaixo de sua pele.

É uma performance surpreendentemente contraintuitiva, e quando o público cai em um silêncio extasiado durante a cena da sacada – como aconteceu no show lotado que vi este mês, e como McAvoy me disse, sem vaidade evidente, acontece geralmente – é o tipo de coisa que só pode ocorrer quando um ator tem uma sala inteira empoleirada na palma da mão.

Se, alguns dias após a abertura do West End, ele parecia cansado quando se sentou para uma entrevista, bem, o sacrifício ritual fará isso com você, aparentemente. A coisa é, porém, ele acredita em sua necessidade.

“É quando eu acho que o teatro é muito, muito emocionante”, disse ele. “Você pode fazer isso fisicamente; você pode fazê-lo emocionalmente. Mas você tem que deixar algo no palco e nunca mais recuperá-lo.”

Este “Cyrano de Bergerac”, cuja execução original no West End terminou em fevereiro de 2020, deveria chegar à Brooklyn Academy of Music naquela primavera. Considerado “arrebatador” pelo crítico Ben Brantley, e há muito atrasado pela pandemia, chegará finalmente em 5 de abril para uma estadia de sete semanas, depois de mais de um mês em Londres e mais uma semana em Glasgow, cidade natal de McAvoy . O noivado com BAM Harvey será sua estreia nos palcos de Nova York.

Capturada em filme para o National Theatre Live antes do fechamento da indústria devido a pandemia, “Cyrano” é a quarta peça da longa colaboração de McAvoy com Lloyd, que começou com “Three Days of Rain” de Richard Greenberg em 2009, seguido por “Macbeth” em 2013 e “The Ruling Class” de Peter Barnes em 2015.

Após os muitos meses de pandemia em que McAvoy ficou perto de casa em Londres, atuando no drama da BBC “Together” e na adaptação de áudio Audible de “The Sandman” (“Fizemos cerca de mil episódios, parecia, do meu quarto” ), voltar a “Cyrano” é o que ele quer agora.

“Acho que sou, no fundo, um contador de histórias”, disse ele, “e acho que consigo contar histórias melhor no palco. O trabalho que faço no cinema e na TV está mais interessado em capturar momentos de veracidade que algum outro contador de histórias edita junto e coloca música e muda a história, ou não, ou escolhe como eu conto a história, corta um pouco minha parte da história. Eu ainda amo atuar no cinema e na televisão; não me entenda mal. Mas no palco, é apenas uma forma mais pura de contar histórias.”

E em “Cyrano” de Jamie Lloyd – despojado para centrar os atores, suas vozes, o texto de Crimp – é ainda mais puro. Elementos como adereços foram descartados, de modo que a selvageria acontece com palavras, não espadas, enquanto os figurinos são baseados no que os atores usam em suas vidas normais.

Bem, não o jeans de Cyrano, que McAvoy chamou de “muito estranho e projetado para mim”. Mas a jaqueta brilhante é uma versão mais justa da dele, a camiseta é como aquela que ele costumava usar nos ensaios, e as botas marrons de motoqueiro são duplicatas do par que ele usava enquanto falava, estendendo a bota esquerda para inspeção . Assim, a linha entre ator e personagem se confunde.

“Estamos meio que nos trazendo”, disse ele, e em uma entrevista de quase uma hora foi a única vez em que sua postura assertiva se tornou um pouco recessiva, com um toque de desleixo. “Estou trazendo uma versão muito mais solitária, triste e violentamente zangada de mim mesmo, mas sou eu mesmo.”

Essa linguagem corporal pode ter sido um lampejo de timidez. Ou talvez ele estivesse apenas se sentindo confortável consigo mesmo.

MCAVOY E LLOYD JÁ TINHAM concordado em fazer a peça, e a Jamie Lloyd Company já havia contratado Crimp para escrever a nova versão, quando Lloyd – que dirigiu um convencional “Cyrano de Bergerac” na Broadway em 2012 – teve um brainstorming do qual passou por McAvoy.

“Lembro-me muito nitidamente porque na verdade estava no set de ‘His Dark Materials’”, disse Lloyd, cujo filho Lewin interpretou a criança desaparecida Roger Parslow na série de fantasia da HBO, ao lado de McAvoy como Lord Asriel. “Estávamos em um estúdio de TV muito frio, muito, muito escuro, em uma barraca – um daqueles tipos de barracas pop-up que colocam as pessoas quando você está esperando. Eu disse: ‘A propósito, tenho essa ideia sobre Cyrano de Bergerac. Temos que tirar o nariz. Não consigo suportar a ideia de você estar com um nariz grande e protético.’ E ele entendeu totalmente.”

Como lembra McAvoy, sua resposta inicial foi de perplexidade, porque a peça não é sobre um nariz? Mas uma vez que Lloyd explicou sua opinião, que é realmente sobre pessoas que são objetificadas por sua aparência e isoladas como resultado, McAvoy aceitou – mesmo que narizes falsos de Cyrano nunca o tivessem incomodado muito, e mesmo que nunca tivesse feito completamente sentido para ele que um nariz enorme seria um obstáculo ao amor.

“A verdade é que eu acho que mesmo se ele tivesse um grande e velho nariz como é descrito na peça, haveria alguém por aí que acharia desesperadamente atraente”, disse ele. “Cara, há esquisitice para tudo.”

Ainda assim, McAvoy não estava interessado em fazer uma edição padrão de “Cyrano”.

“Uma das coisas que eu realmente gosto nesta versão”, disse ele, “é que é menos sobre a extravagância desses poetas mosqueteiros galanteadores e enlouquecidos, e é mais um estudo de masculinidade e, às vezes, masculinidade tóxica, uma cultura militar quase, e ainda é sobre um poeta. Ainda é sobre alguém que é obcecado por palavras. Adorei que finalmente estava vendo uma produção que examinava pessoas bonitas, leves e caprichosas com palavras, e elas matam pessoas.”

Em uma sobreposição inadvertida de produções estreladas, a versão Lloyd-McAvoy estreou no West End no outono de 2019 durante a exibição Off Broadway do musical “Cyrano”, estrelado por Peter Dinklage. O retorno da produção de Lloyd’s coincide com o lançamento da versão para o cinema estrelada por Dinklage, que troca um nariz grande por uma baixa estatura como característica física marginalizante de Cyrano.

O filme é dirigido por Joe Wright, que dirigiu McAvoy em seu papel de destaque no filme de 2007 “Desejo e Reparação”. Quando McAvoy disse que planejava ver “Cyrano”, de Wright, em breve, perguntei se isso entraria em sua cabeça.

“Não. Não, não, não. De jeito nenhum”, disse.

McAvoy agora está tão aparentemente seguro em sua performance que ele nem foi surpreendido por pegar Covid leve em janeiro e perder toda a segunda semana de ensaios.

“Se não tivéssemos feito o show dois anos antes, acho que entraria em pânico”, disse ele. “Mas do jeito que estava, estava tudo bem.”

Ele tem um substituto, Joseph Langdon – “brilhante [palavrão]”, de acordo com McAvoy, que é casualmente xingando. Mas tendo o vírus tão recentemente, McAvoy pode ter menos probabilidade de ser reinfectado no futuro próximo.

“Estou com três doses”, disse ele. “Então, sim, há uma sensação de alívio quase que, pelo menos durante o show, acho que posso ficar bem. Mas nunca se sabe.”

Ele é a principal atração de bilheteria, a principal razão pela qual as pessoas não familiarizadas com o trabalho de Lloyd, incluindo seu chique renascimento em 2019 de “Betrayal” de Harold Pinter no West End e na Broadway, dariam uma chance na produção. E em uma grande empresa, McAvoy é a única estrela.

“Eu estava muito interessada em ver como isso seria”, disse Evelyn Miller, uma nova integrante do elenco que interpreta Roxane, a bela estudiosa que Cyrano ama sem retribuição. “Ele é tão famoso, e você meio que acha que isso deve afetá-lo até certo ponto. Mas, honestamente, ele é tão normal e gentil e pé no chão, e estou plenamente ciente de que ele tem muito mais pressão em seus ombros. Você sabe, muitas pessoas estão comprando ingressos para vê-lo.”

Eben Figueiredo, que interpreta Christian, o belo e ineloquente amado de Roxane, disse que ao fazer coisas tão simples quanto perguntar aos colegas de elenco sobre suas vidas e, antes da pandemia, ir ao pub com eles, McAvoy se destacou de outros grandes nomes com quem ele trabalhou.

“Acho que às vezes eles estão super conscientes da lacuna que criaram em suas próprias mentes entre nós e eles”, disse Figueiredo. “É mais difícil, eu acho, superar o que parece ser um ar de superioridade, e isso nunca entrou em jogo com James.”

Dar entrevistas é outra parte do trabalho de um ator, e McAvoy cumpriu esse dever de maneira bastante agradável. Mas ele tem a cautela de uma estrela de cinema global em relação à mídia e hiperconsciência de que o menor detalhe pessoal dado para consumo público pode voltar a mordê-lo.

Isso aconteceu este mês, quando ele confirmou ao The Guardian o fato de seu recente casamento com Lisa Liberati, uma americana que conheceu durante as filmagens do filme de terror de 2017 de M. Night Shyamalan, “Fragmentado”. (Liberati era assistente de Shyamalan.) Vários outros meios de comunicação então pegaram a notícia e a transformaram em manchetes sobre as núpcias “secretas” de McAvoy – uma distorção que ele ironicamente rebateu.

“Nós não nos casamos secretamente”, disse ele. “Nós simplesmente não corremos para contar aos jornais assim que nos casamos. Eu sinto que todo mundo se casa secretamente, não é? Porque eles não contam aos jornais. Se é isso que segredo significa.”

Na frente profissional, McAvoy deixou uma preocupação borbulhar – que este “Cyrano”, com sua variedade de sotaques britânicos, incluindo o dele, não seria legível para o público no Brooklyn.

“Meu sotaque é bem forte”, disse ele. “Você só vai, espero que eles possam ouvir através disso – e não digam, ‘O que é esse barulho estranho saindo da boca desse homem?'”

Assim, ele também espera que os ritmos da peça e as rimas de seu verso ajudem ouvidos desacostumados a se ajustarem.

“Porque seria uma pena”, disse ele. “É a narrativa mais clara em que já estive envolvido, sem exceção – filme, TV, teatro, o que for. Eu só espero que isso não seja uma barreira, você entende o que quero dizer?”

Pelo que vale, eu entendia. No palco e fora dele, eu o entendia muito bem.