Fotos e Matéria Traduzida: GQ British Magazine – (Nov/Dez 2022)

James McAvoy é capa da nova edição da GQ British Magazine. Confira as fotos em nossa galeria e a matéria traduzida abaixo:


Confira todas as imagens deste álbum

Link original: British GQ (gq-magazine.co.uk)
Matéria original por Ben Allen
Fotos por Elliot James Kennedy
Tradução por JMBR.

James McAvoy está contando sua memória favorita do Soccer Aid enquanto o técnico de unhas aplica uma camada de fortalecedor transparente nas protuberâncias roídas onde suas unhas deveriam estar. “Estávamos ganhando por 3-1 aos 90 minutos e o José Mourinho (treinador e ex-futebolista português) diz: ‘Quero que entre no círculo central e caia como se tivesses levado um tiro’”, conta McAvoy. “’Não importa o que aconteça, você não se move um centímetro até que nós o arrastemos para fora daquele campo, e você demora para sair.’” McAvoy é um fiel da competição beneficente de futebol, mas o ano em que Mourinho treinou o Mundial XI foi diferente. Ele conseguiu algo que todo torcedor deseja – uma visão direta da escola de José Mourinho. Em 2006, quando estava filmando ‘Desejo e Reparação’ em Redcar, North Yorkshire, ele viu um grupo de jogadores do Chelsea – que estavam hospedados no mesmo hotel antes de um jogo contra o Middlesbrough – fazendo um círculo, com o gerente no meio fazendo todos rirem. Isso deu a ele clareza sobre o controle cada vez mais indescritível que ele tem sobre seus jogadores. “Eu podia ver por que eles atravessaram paredes por ele”, diz McAvoy. Quando chegou a hora, ele fez o que lhe foi dito e eles viram o jogo, à maneira de Mourinho. Agora, uma foto do treinador sussurrando as “artes obscuras” em seu ouvido está emoldurada na casa de James McAvoy (foto abaixo). “É o meu momento futebolístico de maior orgulho.”


Estamos em nosso segundo copo de prosecco, não gratuito, em um salão de manicure Waitrose em Islington em um daqueles dias nojentos e preocupantemente quentes no início de agosto. A já mencionada técnica de unhas, Rebecca, está fingindo educadamente não saber quem é McAvoy e fingindo, de forma menos convincente, que não escuta a conversa. “Você é da Escócia?” ela pergunta em um momento. “Sim”. McAvoy queria fazer manicure e pedicure porque o gosto do produto fortalecedor em seus dentes por si só é suficiente para impedi-lo de roer as unhas, o que ele tende a fazer distraidamente enquanto assiste às partidas do Celtic. E, diz ele, seus filhos gostam quando ele pinta as unhas dos pés. E, sejamos honestos, é bom.

McAvoy é construído como um pitbull terrier que faz levantamento – todo o pescoço, ombros e coxas. Mas usando sandálias, shorts e óculos escuros, ele parece um pai de férias, provavelmente porque é um pai de férias – ele está tirando um tempo para não fazer nada depois de encerrar a terceira temporada de ‘His Dark Materials’, que será lançada em dezembro. Quando nos encontramos, ele não tinha seu próximo projeto agendado. “Eu gosto bastante disso”, diz ele. “Gosto bastante de estar disponível.”

McAvoy foi sacodido pela primeira vez em 2017, aos 38 anos, depois de enfrentar uma doença que quase o matou. Não foi a sarcoidose – uma condição em que pequenas manchas de tecido inchado se desenvolvem no corpo – que quase o matou, mas uma biópsia malfeita que levou a uma cicatriz de cirurgia infectada. Seus pulmões pararam e ele acordou sozinho no meio da noite, mal conseguindo falar com a pessoa do outro lado da linha no número da emergência. “Não tive uma epifania do tipo, ‘todo dia é tão precioso, preciso vivê-lo ao máximo’. Não é desse jeito.” Mas isso levou a uma maior apreciação de suas capacidades físicas quando ele finalmente conseguiu se exercitar novamente. “Não consegui correr até o fim da estrada e voltar por uns quatro ou cinco meses. Mas estranhamente, eu poderia levantar 160 quilos.” Apenas três semanas após sua passagem de três semanas no hospital, ele começou a se preparar para ‘Vidro’, de M Night Shyamalan, que exigia que ele entrasse em forma – para interpretar A Besta, um personagem que passa grande parte do filme sem camisa. Ele frequentava a academia incessantemente com o técnico Magnus Lygdback, apesar de seu corpo doente. “Ele também estava meio que me reabilitando. Foi uma espécie de timing perfeito.” E então, como ele diz, seu corpo simplesmente não mudou de volta. “Meu pescoço e ombros continuaram grandes.” Cada vez mais, ele descobriu que jogar futebol duas a três vezes por semana o deixaria com lesões duradouras que o manteriam fora de ação por meses. Então ele continuou levantando e ficando mais forte.

McAvoy é tão reticente em dizer qualquer coisa vagamente parecida com um clichê que minimiza o impacto que o encontro com a mortalidade teve sobre ele. Mas, ao longo de nossa conversa, tenho a sensação de que, de alguma forma, realinhou sua vida. Ele fala sobre seu trabalho agora com um nível de distanciamento, sobre fazer as coisas não pelo salário, nem pela seriedade, nem mesmo pela realização, mas por diversão. “Estou ficando velho”, diz ele, apontando para sua carreira de 27 anos. “Adoro fazer isso, mas não amo a rotina diária do cinema e da televisão. Mesmo que seja um bom roteiro, certamente não consigo racionalizar ir trabalhar às cinco ou seis da manhã e ficar fora até as oito da noite. Se meu personagem não tem um papel interessante ao contar essa história, isso destrói a alma. Cada vez mais estou em busca de experiências interessantes.”

Então, novamente, talvez McAvoy sempre tenha sido assim – um pouco afastado da ladainha de sua indústria. 2008 deveria ter sido o ano do Oscar, na verdade. ‘Desejo e Reparação’ foi um divisor de águas – um enorme sucesso, tanto crítica quanto comercialmente, e que o lançou sob uma nova luz como um protagonista romântico, e ele estava com pouca chance de uma indicação de Melhor Ator Coadjuvante por ‘O Último Rei da Escócia’ no ano anterior. Mas, tendo participado da tour para apoiar Forest Whitaker em sua própria tentativa bem-sucedida de ganhar o prêmio de Melhor Ator, ele estava muito ciente das conversas e beijos necessários para ultrapassar a linha. “Com a campanha do ‘Último Rei da Escócia’, ficou claro para mim que eu estava fazendo isso para o benefício de outras pessoas. E eu estava totalmente deprimido com isso. Mas quando ‘Desejo e Reparação’ apareceu, eu tinha 26 ou 27 anos e pensei: ‘não posso fazer isso, não vou fazer isso, não quero fazer isso’ “. Ele se viu em uma encruzilhada: se jogasse junto, o Oscar poderia tê-lo catapultado para um escalão de fama totalmente diferente. Mas ele desistiu. “Eu não queria fazer esse papel. Vou promover o filme, vou tentar colocar pessoas nos assentos dos cinemas. Mas a campanha (de premiações), eu senti… me senti barato.” Ele teve sorte, ele admite. Ele já havia conquistado um lugar para si mesmo naquele momento, e os empregos não iriam acabar só porque ele não fingiria rir das piadas de um membro da Associação de Imprensa Estrangeira de Hollywood.

Claro, você realmente não imaginaria nada disso olhando para o arco de sua carreira. Um pouco depois de ‘Desejo e Reparação’, McAvoy fez o primeiro dos quatro filmes dos X-Men, interpretando uma versão mais jovem do professor Charles Xavier, de Patrick Stewart. Ele se divertiu muito fazendo-os e quer dissipar os rumores na internet de que não gostou ou que nutre sentimentos negativos em relação à máquina da Marvel. “Foi uma das experiências mais positivas que tive com um estúdio. Eu realmente não os vejo como apenas shows de dinheiro. ‘Dias de um futuro esquecido’ eu acho que é um dos melhores filmes em que já estive envolvido.” Ele tem uma observação, no entanto. “Minha maior crítica ao que fizemos ao longo dos quatro filmes foi que, após o primeiro filme, não aproveitamos o relacionamento entre Xavier e o Magneto de Michael Fassbender, que realmente formou a espinha dorsal do primeiro filme. Então foi tipo, por que acabamos de ejetar aquela arma enorme?”

Por que, então, os fãs têm a impressão de que ele não quer nada com o MCU, que começou a incluir personagens antigos dos X-Men após a aquisição da Fox pela Disney? “Sou muito rápido em dizer: ‘Não, eu acabei’ ou ‘Não estou tão preocupado em voltar’. Porque você segue em frente.” Na época em que conversamos, circulam rumores de que ele será puxado de volta para ‘Avengers: Secret Wars’, a grande peça central da atual série de filmes, que supostamente terá as torneiras de participação totalmente abertas. Então, eu tenho que perguntar: o chefe da Marvel, Kevin Feige, já ligou para ele para falar sobre isso? “Eu definitivamente não recebi a ligação. E se eu tivesse recebido, definitivamente não estaria contando a você.” E sobre a reinicialização da Netflix de ‘As Crônicas de Nárnia’, sobre a qual McAvoy sinceramente parecia estar ouvindo falar disso pela primeira vez quando menciono… Eles o convidaram para participar? “Definitivamente não!”

Há uma história de James McAvoy que eu amo. Não é aquela sobre ele sendo lambido no rosto por um fã bêbado em uma noite em Glasgow no início dos anos 2000, embora eu também ame essa história. Nem aquela em que uma fã tenta convencê-lo a assinar um Funko Pop de outro ator. Esta, a história da M&S, tem 80.000 curtidas no Twitter. Vou deixar que o tweeter original explique: “Acabei de me lembrar da vez em que minha tia e sua amiga conheceram James Mcavoy no m&s na estrada de Byres e ela disse ‘oh Deus, aposto que este é o seu pesadelo, duas mães de meia-idade seguindo você por aí no supermercado’ e ele olhou bem nos olhos dela e disse ‘na verdade… é a minha maior fantasia’”. McAvoy ri quando conto isso a ele textualmente. “Definitivamente não é minha fantasia final. Não me lembro disso. Ele não contesta que isso aconteceu, no entanto. “Fico feliz que alguém realmente ouça a merda que eu digo a eles, porque geralmente as pessoas sempre ficam vidradas quando digo coisas que acho espirituosas.” Sua parte favorita, quando ele ouve a pergunta “De onde eu te conheço?”, é responder completamente sem expressão que ele faz muito pornô gay. “Geralmente é quando eles estão com suas esposas. Honestamente, acho isso hilário, mas eles não me respondem nada. Vamos lá!”


McAvoy é profundamente glaswegiano. Está em seus ossos e, às vezes, nos dedos dos pés (a última vez que ele fez uma pedicure, ele os fez em cores celtas). Uma semana antes do nosso encontro, ele estava em campo no Celtic Park com seu filho antes do primeiro jogo da temporada. Ele volta regularmente, embora agora more em Londres. No início deste ano, ele levou sua peça do West-End, ‘Cyrano de Bergerac’, para uma temporada de duas semanas lá. Eu me pergunto se parecia comemorativo, como um retorno ao lar. Pela primeira vez em nossa conversa, ele hesita. “O elenco foi incrível, foi brilhante. Mas fiquei muito triste, para ser sincero com você, porque a maioria das mulheres negras do elenco foram abusada racialmente diariamente quando estávamos lá.” O abuso, diz ele, foi sexualmente explícito e violento, e totalmente direcionado a atrizes. “Eu estava realmente triste. Fiquei absolutamente chocado e consternado e, para usar uma palavra escocesa, revoltado”. Deveria ter sido uma festa para ele, mas ele mal podia esperar para sair de lá. “Ficamos encantados em chegar ao Brooklyn [para onde a peça iria a seguir] e deixar Glasgow. Foi horrível.”

Ele estava debatendo se contaria ou não essa história, porque sabe como isso poderia soar em Glasgow. “A narrativa que o povo escocês e a mídia escocesa querem ouvir quando um de nós vai embora e se sai bem, é que voltamos e falamos: ‘É raro. É fantástico. Estou feliz por estar aqui e não há público como a escocesa’. Mas eu subia no palco todas as noites dizendo, ‘não quero que estejamos aqui’. Trouxe esse elenco aqui e não quero estar aqui.”

Eu me sinto mal quando Rebecca elogia minhas unhas e não diz nada sobre as de McAvoy. As dele são bonitas até que ele as destrua, sugiro. Ela pergunta se ele morde a pele. “Sim. Pele, cutículas, unhas”. Ah, mas você deveria ver as unhas dos pés – elas parecem ótimas, presumivelmente porque ele não consegue alcançá-las. Rebecca as pinta de azul, branco e vermelho, as cores da bandeira francesa, que ele desfilará pelas praias do sul da França nas próximas férias.

Nosso esmalte está secando agora. Em alguns minutos teremos que voltar para as ruas suadas. Pensando no que ele me disse sobre desistir da troca de prêmios, eu me pergunto se houve um ponto em que ele decidiu, no início de sua carreira, que não aceitaria a falsidade que provavelmente permeia a indústria, e permanecer fiel a si mesmo – tão cafona que pareça. “Sempre fui mais estridente assim [no início da carreira]”, diz. “Não preciso mais me esforçar para ser assim. Talvez eu estivesse fazendo mais gestos grandiosos de ‘ser eu mesmo’, o que em si provavelmente não é ser você mesmo. Mas sempre tive muita preocupação em me deixar levar por mim mesmo.”

Ele acha que estava muito focado em manter a cabeça no caminho certo e perdeu coisas que poderia ter gostado. “Eu provavelmente me restringi um pouco demais até meus trinta anos. Apenas na minha vida social – provavelmente não me permiti aproveitar minha vida tanto quanto poderia. Acho que estava preocupado em me deixar levar e me tornar uma espécie de Charlie divertido.” Tudo sai na lavagem, no entanto. O foco do laser que ele manteve durante seus 20 e 30 anos deu a ele a liberdade de vibrar quando quisesse. “Agora estou na casa dos 40 e posso levar meu trabalho a sério sem me levar a sério.”

Nós drenamos os restos de nosso prosecco, apertamos as mãos e nos separamos. A próxima vez que vejo McAvoy, alguns meses depois, é de longe, na festa Men of the Year da GQ. Ele está, como John Boyega colocou no Instagram, “entregando tudo” na pista de dança, onde passou a maior parte da noite. Sua gravata borboleta sumiu, a gola da camisa do smoking está aberta e seus quadris estão girando. Ele pode muito bem ter sido muito abotoado e muito autoconsciente para fazer isso nos primeiros dias de sua carreira. Mas olhe para ele agora.